Publicado em

Ode aos 39 anos

1/3 de solidão

Sentir a solidão foi algo que  me acompanhou durante os primeiros 15 anos de vida. Me questiono por que muitos de nós não compreendemos a importância da solidão: estar consigo mesmo é um dos melhores desafios que me coloco a vencer. Gosto da companhia que tenho durante a solidão. Não tendo opções volto a mim mesmo e, muitas vezes, encontro aquele que vivo buscando.

Por fim, neste terço também entendi muitos dos motivos da introspecção: muitos amigos me vêem como alguém extrovertido, pronto para uma brincadeira (as vezes impertinentes, admito) mas de certa forma expansivo. A mudança (de introspecção para extroversão) teve muita lapidação e trabalho minucioso de entendimento para alcançar um estado que considerava mais relevante para essa experiência. Um desbaste que me ajudou a construir cada segundo que hoje vivo.

2/3 de amor e aprendizado contínuo

Ao ser escolhido pela Andi (admito que foi uma boa escolha) ela me ofertou:

  1. Um coração quente a me acalentar todos os dias;
  2. Uma história que nem nos melhores sonhos poderia sonhar;
  3. Um presente único, que hoje me enche de honra e aprendizado (sim falo daquele pimpolho na foto)

Não tenho palavras para descrever o quanto uma pequena escolha, feita há quase um 1/4 de século fez diferença em nossas vidas. Falo por ela também pois entendo, nas atitudes e sentimentos dela, que assim posso.

Família, amigos e realização profissional

A gratidão que tenho por aqueles que me acompanham, uns mais próximos, outros mais distantes, é tanta que muitas vezes me pego pensando que não mereço todos estes. Se eles pudessem entender o quanto os amo. Será que entendem?

Um recado no Facebook, um telefonema, uma mensagem no whatsapp – Muitas vezes precisamos apenas disso para nos recordar de quanta diferença fazemos na vida daqueles que nos rodeiam.

Perguntas & Respostas

Nos perguntamos as perguntas certas? Encontramos as respostas? Ou criamos cenários para justificar respostas com perguntas sem relevância?

Deixo um trecho de Pierry Lévy para leres com atenção:

Se você quer respostas, coloque-se questões. Mas questões de verdade.
Sobre sua vida.
A verdade da vida está ao alcance de todos. Ainda assim é preciso buscá-la. Olhe ao redor. Quem de fato está nessa busca?
Quem realmente se engaja na busca por si mesmo? (Não há outra maneira de buscar).

Qual o sentido da vida? Como se houvesse uma vida que não fosse você e um sentido da vida separado da vida!
Pare de se perguntar sobre o sentido da vida.
Você é a vida!

Não há outra vida que não seja você, aqui, agora.
Abandone qualquer ilusão de referência externa. Você é tudo.
Tudo o que você pode viver é a sua própria vida.

Sua liberdade e sua solidão são totais.

O sentido da vida é você quem constrói a cada segundo.

Qual o sentido da vida? Estar presente! Essa “resposta” tenta despertar o dorminhoco que faz essa pergunta.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *