Publicado em 1 comentário

Todo ato realizado na confusão adensa a confusão

Quando estás na confusão da vida, cada ato, cada pensamento adensa a confusão da mente. Sério. O olho do furacão pode parecer calmo mas, em verdade, ele é apenas o rescaldo, uma preparação para o ato mais duro que terás de enfrentar: terás de sair dali em direção ao próprio furacão – Não sendo assim não conseguirás.

Não tenhas medo

Parece duro esse raciocínio mas ele não é: terás de enfrentar o desafio com todas as tuas energias e, especialmente, com toda tua perspicácia. Ele te forneceu tudo o que precisas para isso.

Pense como um dos meus mestres:

O infeliz vive num mundo hostil, cheio de obstáculos. É estrangeiro num mundo que o agride e o frustra. O sábio, em compensação, tem a riqueza infinita de um mundo que lhe pertence. O mundo o ama. O mundo lhe devolve o amor que ele tem por si mesmo.

A agressão lhe dói? Seja mais forte.

Buscas a riqueza? Saiba que ela ja lhe pertence.

O que exalas para o mundo é refletido em tua direção, com intensidade ainda maior.

Essa armadura, que com orgulho dizes que a vida lhe fez obter, e, que acreditas lhe faz mais forte (pois protege das dores), também te faz ser insensível aos afagos que os próximos lhe fornecem. Pense bem: a tua grosseria não te fará ser melhor, ao contrário, te tirará a maior benção que temos – SENTIR.

Amar, em verdade, é o prazer supremo

Estar aqui, nesse mundo, nesse momento, com estas pessoas, é a verdadeira experiência. Fora isso, estar aqui e não amar é o verdadeiro suplício. Todo o restante não importa.

Assim, qualquer relação que te submetas, que esta seja o seu único motivo. Com as dores e amores que esta te trouxer.

E dessa forma, amando o que está ao teu redor, te permitirás amar-te a ti mesmo.

O fim ainda é o início

Quando comecei a escrever sobre esta etapa da nossa vida, o fiz porque precisava deixar algo para você que nos acompanha. Contudo, hoje percebo que, mais do que deixar um legado, deixo a minha visão de vida – Compartilho aquilo que tenho de melhor: eu mesmo.

Sou assim, e, confesso, desejei ter esta oportunidade (talvez não neste contexto), mas me sinto liberto pois cada palavra que recebo, cada incentivo me faz ir adiante.

Nada, absolutamente nada é superior a alegria de poder viver aqui e agora. Seja você agora pois o depois ainda não existe.

 

Um comentário sobre “Todo ato realizado na confusão adensa a confusão

  1. Excelente mais uma vez Marco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *