Publicado em

Tive medo

De um de meus mestres:

As coisas supostamente “reais” são constantemente definidas, categorizadas, imbuídas de valor, produzidas e reproduzidas pelos mecanismos inconscientes das associações mentais. Tais como os percebemos, os objetos de desejo, aversão, ciúme, inveja, medo ou ressentimento são gerados pelo espírito.

Será que eles existem para um mosquito ou um boi?

Existiriam também para um ser humano de outra cultura ou com uma psicologia diferente da nossa?

Guardariam eles sua identidade sem nossos pensamentos? Ora, nossos pensamentos são como sonhos.

Ontem tive medo

Medo de que? Do óbvio? Da morte?

Por que temos medo daquilo que nos é compulsório?

Morrer é única obrigação que temos nessa existência, então porque temer isso?

Desconfio que seja nosso desejo de não terminarmos sem antes cumprirmos nosso dever.

Tive medo porque desejo muito mais com ela. Desejo que tenhamos inúmeros desafios juntos: mantermos nossa família unida e criando tudo o que sonhamos para nós 3.

Mas isso tudo não me impede de assumir: tive medo.

E me sinto completo também por isso.

Um comentário sobre “Tive medo

  1. De fato, MEDO é um dos limites que a vida nos impõe e que nos faz refletir sobre tudo o que fizemos até agora e o que queremos daqui para frente… Em outras palavras, a vida nos cerca de limites para que possamos parar, refletir e seguir em frente.

    Sempre tive orgulho de ter vocês como amigos e acompanhando cada batalha de vocês nestes últimos meses, posso dizer que tenho orgulho de ter pessoas que cumprem o papel de “super-heróis” disfarçados de “pessoas normais”.

    Forte abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *